Uma solução radical

Uma solução radical

O inovador Processo de Oxidação Avançada (POA) controla microcon- taminantes que se acumulam em águas subterrâneas e de superfície.

HÁ ANOS CIENTISTAS alertam sobre micropoluentes na água potável, contaminantes que se originam de descargas provenientes da indústria, agricultura ou residências. O problema se refere aos resíduos de produtos farmacêuticos que entram em águas residuais, por meio do sistema de esgoto de hospitais e residências. Além disso, pesticidas e um grande número de outras substâncias químicas, como o dioxano, também crescem em corpos de água. Como as estações de tratamento convencionais são incapazes de lidar com muitas dessas substâncias prejudiciais à saúde, a questão agora está se tornando parte de políticas ambientais e de saúde em muitos países.

As soluções POA desenvolvidas no laboratório de pesquisa e desenvolvimento da Xylem em Herford, na Alemanha, são comercializadas há mais de uma década. “A grande vantagem do POA é que nenhum subproduto prejudicial é formado”, explica Daniel Rohring, Gerente de Produto e Aplicação de Ozônio da Xylem de Herford.

Por meio da marca Wedeco, a Xylem oferece o conceito MiPRO há mais de um ano. O MiPRO utiliza o POA para controlar microcontaminantes em água potável, cuja principal força é a formação de radicais hidroxila (radicais OH). Estes radicais têm alto potencial de oxidação, e a oxidação torna as substâncias nocivas ineficazes.

A fim de formar radicais OH, o POA tem duas abordagens. Se ozônio e peróxi- do de hidrogênio são adicionados à água potável, o ozônio reage com o ânion do peróxido, produzindo os radicais. Alternativamente, os raios UV podem ser usados no lugar do ozônio. A radiação eletromagnética da luz UV é absorvida pelo peróxido de hidrogênio dissolvido na água, forman- do radicais OH.

Com seus produtos Wedeco MiPRO, a Xylem oferece uma solução flexível, que pode ser adaptada em instalações individuais. Tal solução começa com uma análise das necessidades, levando-se em consideração as condições específicas da instalação, incluindo a composição de sua água, os contaminantes presentes, os objetivos do tratamento, a formação de subprodutos, o consumo de energia e os custos de instalação. Os engenheiros da Xylem, em seguida, projetam a concentração específica de ozônio, peróxido de hidrogênio e, opcionalmente, os raios UV.

Os raios UV são usados no POA se for preciso que as substâncias fotossensíveis sejam rompidas, como o N-nitrosodimetilamina (NDMA), um subproduto de processos industriais causador de câncer que não pode ser degradado biologicamente. Nos produtos da concorrência, a luz UV de pressão média é usada em combinação com peróxido de hidrogênio. No caso de Wedeco MiPRO Eco3 Plus, são utilizadas lâmpadas UV de baixa pressão com comprimento de onda de 254 nanômetros. Rohring, explica que “os custos operacionais e a eficácia da limpeza podem ser mais favoráveis nesta solução, como já demonstramos”.

Ilustração Istockphoto

por Johannes Wendland